domingo, março 17

Da Poesia


Quis escrever um poema.  Mas o peso das palavras de mais de três silabas pingava-lhe antes da tinta da caneta. Quis escrever um poema sem gostar sequer de ler poesia, mas o Perdigão, que o pai dizia à laia de ladainha enquanto partia nozes com uma mão contra a outra, parecia-lhe pastoso nas redondilhas. Quis escrever um poema formidável,  de versos alexandrinos, cheio de metáforas para a posteridade , mas a caneta continuava presa no ar e todos sabemos que esse não é o elemento das letras.  Quis escrever um poema, com cheiro de mansarda, de mostrengo, de poeta mais alto, de desertos do mundo que cabem sempre na minha aldeia,  mas derrotaram-se-lhe as mãos no vazio da folha e disse, mil vezes os metais alcalinos, os gases nobres e halogéneos, que os átomos se conjugam sem rima nem métrica.


O Convidei para jantar…um poema, chega ao fim. E a confeitaria guardou na sua mala, naquela mala onde ficam as memórias boas, um experiência muito gratificante. Trinta e quatro poemas de ler e comer chegaram a estas vitrines. E eu, dona da Confeitaria vos digo: Bem hajam pelo poema que em uníssono construíram com cada um dos vossos convidados.






O pão de cereais  trouuxe-nos dois convidados:  Song of the Open Road de Walt Whitman e Cântico Negro de José Régio 



O Bolo da tia Rosa trouxe-nos dois convidados : Saul Dias e Sophia de Mello Breyner Andresen






























O Convidei para Jantar muda de casa, aqui ao lado, no Panelas sem (de)pressão. Batamos-lhe à porta, então.


9 comentários:

Leonor disse...

Muito bem, Cristina! Adorei :)
Beijinhos e mais uma vez Parabéns pela escolha do convidado.

Maria disse...

Um dos temas que ficará na minha memória. Gostei imenso e, a ver, não fui a única pois as participações foram massivas.
Beijo
Maria

Manuela Teixeira disse...

Olá Cristina,

Excelente resumo deste fabuloso Convidei para jantar... Adorei participar e especialmente adorei o tema.
Bjnhos e uma semana fabulosa.

http://saborescomtempo.blogspot.pt

Doces em Casa disse...

Adorei todas as participações!
Poemas e sobremesas muito bem escolhidos :)
Foi um sucesso, Cristina!
E que sucesso seja também no panelas sem (de)pressão! :)

Marmita disse...

Que bonito foi um prazer! um beijo

Ginja disse...

Eu adorei esta edição.
Tantos poemas lindos, tantas memórias, tantas doces receitas.
Parabéns pela escolha Cristina.
Um beijinho.

Ameixinha disse...

Acho que foi dos meus temas favoritos, poesia não morrerá nunca ;)

Blondewithaphd disse...

Isto numa altura em que já quase ningém se lembra da Poesia...

vera ferraz disse...

Parabéns pelo sucesso desta edição!
Boa Páscoa!