quarta-feira, agosto 15

Café Central


O homem leva a chávena à boca no momento em que o autocarro pára do outro lado do vidro. Saem pessoas enquanto faz um trejeito com o canto da boca. Está amargo. Repara no som rouco da sineta da porta enquanto deita mais açúcar. O caminho até à porta faz-se sobre azulejos castanhos (ou serão amarelos?) desgastados nos cantos. E há sons de saltos altos, pouco usados que se fazem a partir da porta. A mulher dos saltos altos repara no casaco de tweed que tem vestido. Tem a gola coçada por demasiado tempo de desleixo. O autocarro arranca no princípio da pergunta dela. Ele levanta os olhos a tempo de compreender o fim. E ela senta-se no lugar vago no extremo da mesa, ainda que esta seja redonda. Pede uma água com gás e os olhos arrastam-se na mala de carneira encostada à cadeira dele. O cheiro a açúcar queimado, que alguns chamam caramelo, abafa o som surdo das conversas. Ele comenta. Fazem um bom pudim, aqui. Ela ignora. Não posso comer açúcar por causa dos diabetes. O empregado deita a água no copo. Mas a minha mãe fazia um bom pudim de ovos. Ela, no incómodo de quem não sabe o que dizer, procura outro lugar vago. Ela não o olha apertando o nó do silêncio. Ele alarga a gravata. A mala de carneira cai, espalhando papéis no chão. Ela baixa-se para os apanhar e os dedos crispam-se. Ele justifica-se guardando o catálogo dos caixões. Nunca se sabe quando nos chamam. Faz sinal ao empregado e pede um pudim. Encolhe os ombros, que se lixem os diabetes. Quem vive da morte não tem horas. E nesse momento pára outro autocarro do outro lado do vidro.

Pudins  de ovos e vinho do porto


8 gemas + 2 ovos inteiros
350g de açúcar
2dl de água
50 ml de vinho do porto

Leve o açúcar e água ao lume, num tachinho até fazer ponto de fio. Junte as gemas e os ovos inteiros desfeitos e depois o vinho do porto.  Deite em ramequins barrados com caramelo e leve a forno pré-aquecido a 180º num tabuleiro com água. Deixe cozinhar por cerca de 30 minutos.
Pode polvilhar com praliné de amêndoa.



11 comentários:

Luisa Alexandra disse...

O teu pudim ficou com um aspecto tão bom!

Mané disse...

Gostei, como sempre, do texto.
O resultado já o tinha visto no FB e está uma delicia de ver
:)

Papoila disse...

Que delicia de pudim. E o texto é, como sempre, fantástico. Parabens

Miminhos da Mito disse...

Olá

Ficou lindo o pudim :D

Bjs

Isadora disse...

amo seus textos! quanta inspiração! a receita está magnifica tb! amo pudim!

Blondewithaphd disse...

Não é bom, é óptimo!!! (o colesterol é que é uma gaita!)
:)

Luis Eme disse...

grande central de pudins...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Regressada de férias? Seja bem vinda, mas este pudim tem um bocadinho de calorias a mais. O texto é que está mesmo no ponto.

Lenita disse...

Este pudim é uma verdadeira tentação! Dá água na boca só de olhar as fotos!
Bjs

mfc disse...

E assim se vive a vida... entre pudins e autocarros que passam!
Um conto perfeito!

Beijos,

Ana Gomes disse...

Que maravilhoso pudim! De crescer água na boca.
Beijinhos
Ana